livros

O que andei lendo por aí (2)

Estou meio que ~de férias na casa de mainha e praticamente leio todo momento. Essas duas semanas, eu li dois livros e não necessariamente indicaria, mas, vamos lá:

Entre o agora e o nunca – J.A. Redmerski

Camrym, uma jovem de 20 anos, nunca foi como todas as meninas de sua idade. Sempre quis viajar com uma mochila nas costas e sem destino, mas nunca teve coragem. Até que um dia, depois de um desentendimento com sua melhor amiga, ela resolve realizar este sonho, mas o que ela não contava que neste sonho ela conheceria um rapaz, Andrew, que mudaria completamente a vida dela. E ela a dele.

O que me fez ler o livro, foram as opiniões dele na internet. Bom, o que eu realmente achei? Meia boca. Romance, com um pouco de drama, sexo (mas nem tanto) e com final “açucaradamente” feliz.

Não que eu seja contra finais felizes, mas esse livro em questão poderia ter um final diferente. Foi previsível e um pouco cansativo as vezes.

Uma leitura boa para um livro que baixei de graça.

Se você ler, vai entender.

 

 

livroA probabilidade estatística do amor à primeira vista – Jennifer E. Smith

Quem imaginaria que quatro minutos poderiam mudar a vida de alguém? Mas é exatamente o que acontece com Hadley. Presa no aeroporto em Nova York, esperando outro voo depois de perder o seu, ela conhece Oliver. Um britânico fofo, que se senta a seu lado na viagem para Londres. Enquanto conversam sobre tudo, eles provam que o tempo é, sim, muito, muito relativo. Passada em apenas 24 horas, a história de Oliver e Hadley mostra que o amor, diferentemente das bagagens, jamais se extravia.

Uma palavra define este livro: CHATO. Quem enquadrou o livro como “jovem-adulto” deve ter comido cocô, porque no máximo seria para  adolescentes até 15 anos (e olhe lá, porque eu vi umas meninas de 13 anos que SÓ JESUS NA CAUSA).

Também pudera, peguei a ~boa indicação no blog “Depois dos 15” (não me julguem) já deveria ter imaginado.

Não indico este livro pra ninguém, salvo as menininhas de 10 anos.

Acho que estou ficando velha.

Bom, agora estou a procura de livros mais ~adultos para ler, quem quiser me indicar aí, eu serei eternamente grata.

Anúncios
Padrão
livros

O que andei lendo por aí

Depois que ganhei meu precioso tablet, descobri o mundo dos e-books e onde posso baixá-los de graça (quem quiser saber, é só me dizer).

Não sou contra quem gosta de pegar o livro na mão, cheirar, folhear, enfim, eu amo tudo isso também, mas o que eu queria mesmo evitar era o acúmulo deles nas pasteleiras, JÁ QUE eu tentei doar alguns e mainha ficou com todos pra enfeitar o novo escritório (mas quem quiser emprestado, fique a vontade).

Então, mas não é pra falar de mainha e seu apego aos livros que vim aqui, mas sim para postar um pouco sobre as minhas leituras:

112591571G1

O lado bom da vida – Matthew Quick

Trata-se da história de um rapaz, Pat, que sofre um surto psicótico, após descobrir algo terrível sobre a esposa e para numa clínica/sanatório. Depois de 8 meses (pelo que lembro) ele tem auta, vai pra casa dos pais e nesse meio tempo, conhece a cunhada do seu amigo, que é uma viúva em processo de reabilitação, muito bonita por sinal. Enfim, como os dois são bonitos, e de certa forma com histórias parecidas, mantém uma amizade estranha, mas muito sadia, pelo menos é o que afirma o psiquiatra do Pat.

Eu achei o livro muito bom, porque adoro histórias de amor (com ou sem finais felizes). E sim, achei os dois personagens meio malucos. Mas quem não é um pouco, certo?

Ah, já aproveito pra dizer que o livro NADA TEM A VER com o filme. Só se eu li o livro errado. Odiei o filme, de verdade (mas se fosse com Ryan Gosling, eu até daria um desconto – hahahahaha).

a_culpa_e_das_estrelasA culpa é das estrelas – John Green

Uma adolescente de 17 anos, Hazel,  com câncer terminal no pulmão, vai numa dessas reuniões de apoio à crianças com câncer e conhece o grande amor de sua vida, Gus. Pronto. Eles lutam o tempo todo para não viver sob a sombra da doença que os corrói a cada dia, apenas vivendo suas vidas de adolescentes.

Apesar de parecer um livro fraco – já que minha resenha não foi lá muito otimista – é um livro bonito de se ler, porque tem aquela moral de que se tem que valorizar a vida e agradecer por você não ter uma doença tão grave.

O que me deixou pensando foi a forma de como a personagem Hazel lidava com a sua morte e como seus pais ficariam depois que ela se fosse. Na verdade, não se é preciso ter uma doença para se pensar assim, não é verdade? Afinal, todos nós vamos morrer um dia, e o dia ninguém sabe.

Não tem filme deste livro, mas quem quiser ver uma história parecida, assistam “Uma prova de amor” (aquele onde a Cameron Diaz raspa a cabeça).

@mor@mor – Daniel Glattauer

Sim, assim mesmo, amor com “arroba”. Bom, este livro é basicamente troca de emails entre duas pessoas. A personagem Emmi, envia um email para uma editora de revista, mas por erro na digitação do endereço, este vai para na caixa de correio de Leo e assim começa uma troca de mensagens intermináveis.

Leo acabara de ser deixado pelo que ele acredita ser o amor de sua vida, e Emmi é casada e tem uma família perfeita. Ou apenas acha que tem. Os dois cúmplices das suas vidas, não se conhecem pessoalmente e nem sabem ao menos como são, mas trocam confidências como se fossem velhos conhecidos. Os dois tem medo de se conhecerem e acabar com a ~magia, mas fiquem tranquilos que eles não ficam assim o livro inteiro, afinal, quem aguentaria? Eu pelo menos não! Um dia eles decidem se conhecer e é aonde tudo começa. Ou acaba.

Devo confessar que o Leo, eu imaginei o Ryan Gosling. Aliás, na maioria dos livros eu o imagino. Deixa eu tá! Hunf!

Emmi-e-Leo-A-Sétima-OndaEmmi e Leo – A sétima onda

Então, se você leu o livro acima, vai ter que ler este. Não vou detalhar muito, porque senão você, querido leitor, não vai ficar que nem eu: com cara de “HAM? COMO ASSIM?” ao chegar ao final do livro anterior.

Imaginem a cena: eu que nem doida procurando o link para baixar a continuação, sendo que a minha internet 3G da tim é uma bosta e os links que abriam, me redirecionavam à uma propaganda ou um arquivo de download “.exe”.

Quando eu finalmente achei um link descente, pude terminar de ler. As três da madruga. Isso sim é curiosidade.

Bom, o que eu achei deste? Digno de filme romântico, com direito a musiquinha do Jazon Mraz para fazer chorar.
Enfim, tem que ler este também.

Então, acho que é isso.

Tenho mais uns três para ler e se alguém tiver aí alguma sugestão, pode comentar.

Padrão